Governo francês investe na candidatura aos Jogos de 2024

O primeiro-ministro francês, Manuel Valls, assegurou que a França tem orçamentados mil milhões de euros para financiar a candidatura do país aos receber os Jogos Olímpicos de 2024.

A França, que disputa com Budapeste, Los Angeles e Roma a atribuição da organização dos Jogos Olímpicos, já apresentou ao Comité Olímpico Internacional o programa financeiro, jurídico e organizacional de suporte à organização dos Jogos Olímpicos de 2024.

O Estado disponibilizará dois terços do financiamento público, mil milhões de euros, para custear a construção de equipamentos e outro tipo de infraestruturas que servirão as populações no longo prazo”, afirmou Valls, acrescentando que os fundos serão desembolsados “entre 2018 e 2014”.
Menos espetacular do que a primeira fase, dedicada à apresentação das instalações desportivas e do projeto global de cada uma das candidaturas, esta segunda é, provavelmente, a mais importante para o COI.

Nesta segunda fase de candidatura, Budapeste, Los Angeles, Paris e Roma devem apresentar garantias que os Jogos Olímpicos de 2024 serão suportados financeiramente, independentemente de alterações políticas ou reveses económicos.

Paris, que mostra possuir 95% dos equipamentos necessários, apresenta um orçamento de três mil milhões de euros, divididos entre apoios públicos e privados e compromete-se à construção de uma aldeia olímpica, um centro aquático e um estádio.

Los Angeles, que alterou consideravelmente o seu projeto inicial, ainda não divulgou o seu orçamento, mas assegurou que irá ser financiado exclusivamente por fundos privados e por mecenas em caso de vitória da candidatura norte-americana.

A candidatura húngara de Budapeste apresenta como garantia ao COI uma carta assinada pelo primeiro-ministro Viktor Orban, defensor acérrimo da candidatura aos Jogos Olímpicos de 2024, e que assegura a construção das infraestruturas necessárias com fundos provenientes do Estado.

Se Roma submeteu o seu projeto financeiro, jurídico e organizacional, tal deveu-se apenas a uma questão de honra, uma vez que a nova presidente da câmara, Virginia Raggi, negou já o seu apoio à candidatura da capital italiana.

O próximo passo das candidaturas sobreviventes será dado com a apresentação no COI, em fevereiro do próximo ano, de um novo documento relacionado com a experiência na promoção dos JO e a herança olímpica, seguindo-se em maio a visita do Comité de Avaliação às cidades candidatas.

A votação final está prevista para 13 de setembro do próximo ano, em Lima.

Relacionados

Comentários

Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.